A energia como moeda empresarial

Share
equipment5920914. Uma tecnologia de EAM (gerenciamento de ativos empresariais) permite que as empresas permaneçam competitivas, ao gerir recursos de forma inteligente e evitar desperdícios Por Tadeu Longo

Mar 14, 2016

Atualmente, os CFOs e CEOs enfrentam encargos crescentes de despesas com energia, que podem representar até 80% dos gastos operacionais e de manutenção. Mas não é só isso, os regulamentos de conformidade mais estritos sobre as emissões de gases do efeito estufa, resíduos e água também entram na lista de preocupações das empresas, que têm buscado reforçar o resultado financeiro ao identificar as ineficiências energéticas e buscar formas de melhorar a eficiência operacional. O que leva a necessidade de entender melhor as demandas de energia, capacidades de conservação, e a desenvolver uma estratégia abrangente de sustentabilidade.
Até pouco tempo, muitas empresas gerenciavam a energia de forma muito fragmentada. Hoje, para determinar as causas do gasto e do desperdício de energia e aprovar programas com o objetivo de reduzir e prevenir gastos em excesso, as organizações precisam de procedimentos sistêmicos para determinar o uso de energia em seus recursos operacionais como parte integrante do gerenciamento diário dos seus ativos.
Os EUA, por exemplo, perdem dois terços de cada quilowatt de energia que é produzido, o que chega 20% do desperdiçado no mundo todo. Reduzir a demanda e melhorar a eficiência operacional para uma ampla gama de equipamentos usados na operação das instalações e processos de manufatura são formas diretas e econômicas de economizar energia. Essa abordagem também é adequada para resolver questões ambientais pelos próximos 40 anos, até que haja um avanço mundial em termos de energia limpa, confiável e escalável.
A energia desperdiçada muda de forma quando não é usada para a finalidade pretendida e acrescenta um custo igualmente importante. Os custos ambientais para gerar a energia necessária - seja desperdiçada ou não - e o impacto ambiental da energia recém-transformada (calor, vibração, maior utilização de energia pelos recursos) contribuem para aumentar a pegada de carbono da empresa. Mas esse valor não é medido em dólares, e sim em moeda de gases do efeito estufa e no potencial de mudança climática.
Antes, as empresas tinham a visão de que a energia representava um custo fixo para os negócios, mas isso tem mudado. Hoje, as organizações perceberam que o uso da energia é baseado em recursos, e que é a eficiência individual que determina o custo final. Desse modo, olhar para o estoque excessivo, tempo de inatividade e outros fatores materiais que visam reduzir o desperdício total sem integrar o desempenho energético não tem sido suficiente, e as organizações que deixam de abordar sua eficiência energética correm um grande risco econômico.
Uma abordagem de boas práticas para o gerenciamento de recursos, chamada de sustentabilidade global de recursos, tem ajudado empresas a gerenciar os recursos e determinar se eles consomem mais energia que o esperado, o que ajuda a otimizar o desempenho e impulsionar os resultados financeiros. Ao usar uma tecnologia avançada de gerenciamento de recursos empresariais (EAM), as empresas podem projetar essa importante tarefa de forma mais rápida e eficaz. E com muitos dados gerados sobre o uso de energia dos processos comerciais de ponta a ponta, os sistemas avançados de EAM também podem ajudar a reunir, documentar e analisar sistematicamente essas informações, além de identificar não conformidades, comunicar e contabilizar os dados usando métodos precisos, reproduzíveis e oportunos para atender necessidades pontuais nas organizações.
É importante reunir dados quantitativos e qualitativos sobre o uso de energia, pois dados quantitativos representam uma visão "após o fato" do resultado financeiro do uso de energia, mas a informação qualitativa abrange informações de recursos individuais e a sustentabilidade de cada recurso para atingir as expectativas projetadas de ciclo de vida. Por isso, o uso de energia tem um impacto dramático no resultado financeiro e na lucratividade da empresa.

Um novo padrão para visualizar o uso de energia
As organizações podem desenvolver uma abordagem sistemática para investigar o papel do uso da energia, emissão de gases, resíduos e água pelos recursos globais usando o EAM combinado com a norma ISO 50001:201, publicada pela ISO (International Standards Organization), sobre sistemas de gerenciamento de energia, requisitos com orientações de uso que estabelecem uma forma confiável e sistemática para investigar a relação entre o uso de energia e o gerenciamento de recursos. Em vez de aceitar a filosofia tradicional de que o uso de energia é um custo fixo, a norma especifica uma forma para desenvolver, implementar, manter e melhorar um sistema de gerenciamento de energia para que a organização possa seguir uma abordagem ordenada a otimizar a eficiência energética, identificando o recurso que mais consome e o quanto é consumido.
A norma aborda o custo de energia como forma de apresentar os benefícios financeiros e ambientais que as organizações podem obter como gerenciamento sistemático de energia. Organizações públicas e privadas podem usar essa norma para controlar os custos por meio da redução de desperdícios no uso da energia.
Organizações com grandes instalações e operações industriais já praticam o gerenciamento de ativos empresariais (EAM) há anos. Um EAM bem sucedido envolve tecnologia avançada e um gerenciamento mais inteligente de recursos que permite que as organizações possam permanecer competitivas. Isso é ainda mais importante  hoje, por causa do clima econômico incerto, do aumento da concorrência global, das pressões regulatórias mais estritas e das infraestruturas envelhecidas.
A visão de longo prazo do EAM sempre se concentrou em maximizar a disponibilidade, confiabilidade e desempenho dos recursos e, simultaneamente, minimizar o custo total de propriedade, e agora a sustentabilidade - que ajuda identificar hora certa de substituir o recurso por uma alternativa mais eficiente, e assim gerar mais eficiência energética. Essa premissa também faz parte do EAM, e por isso, a gestão correta dos recursos com base em uma tecnologia eficiente e de ponta ajuda as empresas a otimizar seus ativos e economizar, trazendo um resultado financeiro positivo aos negócios.

Press contacts

Media contacts - Americas

Dan Barnhardt
U.S.A. and Canada
Phone:+1 646 336 1731
Email:dan.barnhardt@infor.com

Claudia Vazquez
Latin America
Phone:+54 11 4010 8079
Email:claudia.vazquez@infor.com

Media contacts - Europe, Middle East and Africa

Richard Moore
United Kingdom, Southern Europe,
Middle East and Africa
Phone:+44 121 615 8189
Email:richard.moore@infor.com

Tanja Hossfeld
Central, Northern and Eastern Europe
Phone:+49 172 7481 111
Email:tanja.hossfeld@infor.com

Media contacts - Asia

Phyllis Tan
Phone:+65 9799 9133
Email:phyllis.tan@infor.com

Industry analyst contact

Sharon Sulc
Phone:+1 614 537 6634
Email:sharon.sulc@infor.com

Specialized by industry.
Engineered for speed.
© Copyright 2017. Infor. All rights reserved.